domingo, 21 de fevereiro de 2016

Fanatismo, materialismo e fé


Eu não posso falar sobre gestação humana, eu nunca estive grávido. Não posso falar sobre o frio porque eu nunca estive no inverno europeu ou similar. E isso vale para muitas outras coisas. Como, por exemplo, falar com tanta propriedade sobre pessoas que mal conhecemos, às vezes, simplesmente seguindo comentários de pessoas maliciosas ou invejosas. Assim acontece com assuntos pertinentes a religião (do latim religare, religar, em português). Muitos exercem ferrenha e persistente crítica à Bíblia, sem terem o mínimo conhecimento do que trata essa coletânea de textos sagrados (o termo sagrado, do latim sacratu, refere-se a algo que merece veneração ou respeito religioso – Wikipédia). Os descrentes materialistas estão se viciando em zombar da divindade.

Para que possamos emitir opinião contestadora a respeito de alguma coisa devemos conhecer aquilo sobre o qual tratamos. Estudando, pesquisando, vivenciando – se possível – o que nos interessa abordar. Quem não conhece as Escrituras Bíblicas não tem autoridade para questionar o seu conteúdo, a sua mensagem, a sua finalidade. Os Gideões Internacionais preceituam que ela é como “o mapa do viajante, o cajado do peregrino, a bússola do piloto e a espada do soldado.” É o guia do fiel. Ela revela a mente de Deus, foi nos entregue para conhecimento e prática e será reaberta para o julgamento. Ela é a Constituição do mundo. Primeira e superior a todas as outras.

As instituições religiosas criadas são nascidas de interpretações de adeptos – ou grupos deles – dos preceitos contidos nos seus livros (a saber, 39 no Velho Testamento e 27 no Novo Testamento). Há adeptos que geram religiões. Há religiões que geram fanáticos. Há fanáticos que geram tragédias. A palavra bem interpretada gera fiéis, seguidores, amantes do bem, praticantes do amor Ágape e do Philos - o amor solidário, elevado, universal. Ridicularizar um símbolo que é considerado sagrado para outrem (como fizeram os integrantes do francês Charlie Hebdo) foi baixo, deselegante, ignóbil, no entanto, punir alguém com a morte por haver esnobado, tripudiado um símbolo sagrado da fé é reduzir a onipotência de Deus, no seu poder de julgar e agir.

O Deus islâmico, o Eterno, o Altíssimo, que é o meu também, disse ao Rei Saul que obedecer é melhor que sacrificar. A quem Ele deu ordem para matar os jornalistas franceses? Deus não precisa de homem bomba para conseguir alcançar seus intentos, para realizar seus irrevogáveis desígnios. E isso foi permitido no período de regência da Lei de Moisés. Depois Deus só concordou numa morte: naquela que é o sacrifício perfeito para aqueles que ouvem a Sua voz e abrem o coração: a do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, o Cristo prometido. Quem tem fé e é vingador peça ao SENHOR que caia fogo dos céus e consuma os ímpios blasfemadores, como fez o profeta Elias contra os 450 profetas de Baal. Afinal ele é o Senhor dos Exércitos e o Juiz Supremo. Os fanáticos fundamentalistas dilaceram a mensagem do amor divino tanto quanto os sacerdotes desonestos e os irreverentes opositores da fé.


Alberto Magalhães

Nenhum comentário: